O cantor-compositor costumava ser desajustado; agora ele é uma superestrela que passa muito tempo bebendo. Mas o que ele realmente quer é uma vida normal.

“Vamos lá para casa para o final!” Ed Sheeran grita enquanto ele salta para dentro de um SUV. É um pouco depois de meia-noite em Londres. Sheeran passava boa parte da tarde em um bar, mas mesmo com seus cabelos vermelho-vivo escondidos embaixo de um boné de baseball, as pessoas começaram a reconhecê-lo. O DJ tocou uma de suas músicas e os seus amigos tiveram que fazer uma parede ao redor dele para que ele pudesse beber em paz. Isso o deixou um pouco ansioso, é por isso que eles está se apressando para ir para a sua casa na parte Oeste de Londres para a festa continuar rolando.

Sheeran está comemorando esta noite, porque ele sabe que está prestes a conquistar seu primeiro #1 hit nos Estados Unidos com “Shape of You”, uma música funky e elegante de seu novo álbum, ÷ (pronunciado Divide). Nós somos acompanhados por sua namorada, Cherry, e seus velhos amigos Zack, Nathan e Catherine, o assistem torcar desde que ele lançou seu primeiro álbum, The Spinning Man, quando ele tinha 13 anos. “Foi madeira”, Sheeran, agora com 25 anos, faz piadas sobre esse LP. “Não foi ouro, vendi 100 cópias.”

Sheeran está festejando muito esta noite: martinis espresso e shots de rum-punch no jantar, gin e tônicos no bar. É meu aniversário, e em um ponto ele agarra meu telefone, toma um selfie de nós e posts para o meu Instagram, escrevendo “É o meu aniversário bitches #london #hashtag #believe #achieve #inspiration.” Ele incentiva os amigos a engolirem bebidas com uma canção que termina com “Na na na na / Hey hey hey / Você é um babaca!”

Logo chegamos à sua casa, um lugar de cinco andares, de estilo industrial, com paredes de tijolo, pisos de madeira e vários toques pessoais: um Pokémon Charmander de pelúcia em seu quarto e um purificador em forma da cabeça de Benny Blanco na sala. Há também um estúdio de gravação, uma academia e um bar completo, onde ele recentemente entreteu vários jovens membros do elenco de sua série favorita, Game of Thrones. Quandos chegamos, Sheeran oferece quartos para quem quer “fazer barulho”, e então vai se ocupar misturando bebidas.

Com a possível exceção de Justin Bieber, Sheeran é a maior estrela pop masculina viva. Mas o refinamento da máquina pop é algo que ele resiste com força total. Sua vida é um borrão caótico de comida de pub em excesso, jogos de bilhar às 3 da manhã, shots no jantar e decisões impulsivas: “Se você precisar de uma banda de casamento …” Ele diz logo depois que nos encontramos e ele ficar sabendo que eu tenho uma namorada. “Eu sempre digo, ‘É grátis se eu estou livre.’ Contanto que você me ofereça um monte de bebida e uma cama, eu estou lá.” (Durante nosso tempo juntos, vou encontrar pelo menos três amigos cujos casamentos ele tocou.) Ele não tem filtro. “Uma merda poderosa lá em cima, cara. Quem fez isso?” Ele pergunta depois de sair do banheiro, até um amigo admitir a culpa.

À medida que sua fama aumenta, segurar uma aparência de normalidade é importante para Sheeran. Ele anda saindo com velhos amigos; ele mesmo escreveu sobre eles em seu novo single “Castle On The Hill”, uma homenagem aos seus dias rebeldes no ensino médio em Suffolk, Inglaterra.

Por volta de 4 da manhã., Sheeran corre para o andar de cima para pegar seu violão e depois sentar na mesa da cozinha. Ele toca por duas horas seguidas – um show consideravelmente mais íntimo do que os estádios no qual ele toca sozinho, com apenas um violão e um loop pedal. Hoje à noite ele toca músicas de ÷, assim como várias músicas inéditas que ele diz estarem planejadas para futuros álbuns. Ele recebe pedidos, também – incluindo “Love Yourself”, o hit número um que ele escreveu com Justin Bieber. “Você sabe ‘Love Yourself’ é originalmente ‘Fuck Yourself’, certo?” Ele brinca antes de tocar essa versão.

Esse é o presente de Sheeran em uma casca de noz: Ele é uma mistura de cantor à moda antiga e técnico em Top 40, um cara que arrasaria em uma noite de improviso na cafeteria mas também é um dos maiores compositores pop-experiente vivo. (Ele também canta rap surpreendentemente bem.) Seu público é em maioria meninas adolescentes, mas Sheeran é artista suficiente para impressionar alguém como Elton John, que o assinou em sua companhia de administração em 2011. “Ele pode escrever melodias tão facilmente,” diz Elton, que aponta para “Thinking Out Loud”, vencedora do Grammy de Música do Ano em 2016. Van Morrison teria ficado muito orgulhoso de escrever isso. Ele me lembra a mim mesmo quando vim para os Estados Unidos pela primeira vez, em 1970. It was all systems go. Nada era impossível. O azar agora é que todo mundo soa como Ed Sheeran: Shawn Mendes, Justin Bieber…”

“Desculpa, estou um pouco bêbado,” Sheeran diz depois de cantar um verso de uma nova música. Ele faz uma pausa para enrolar um cigarro e aquece uma pizza. então ele se senta e toca “Perfect”, uma balada escolhida a dedo do ÷. Como a maioria das músicas que ele escreve hoje em dia, é sobra a Cherry, quem ele conhece desde o Ensino Médio e se reconectou em uma after-party de um show em Nova Iorque. Eles mantiveram seu relacionamento em segredo durante um ano inteiro, até que Taylor Swift os convidou para sua festa de 4 de Julho em Rhode Island e um amigo postar no Instagram uma foto de um banner comemorando o aniversário de 1 ano de namoro.

“I found a love to carry more than just my secrets,” Sheeran canta. “I don’t deserve this, darling, you look perfect tonight.”

“As minhas glândulas de lágrimas estão apenas latejando,” diz Catherine.

“Deixe-me pensar em outra para chorar,” Sheeran diz.

“Por favor, não!” ela diz.

Ele se levanta e prepara outro gin com água tônica. “Está todo mundo bem? Eu estou muito bem.”

Por volta das seis, é hora de ir para a cama.

No início do ano passado, Sheeran e Cherry estavam viajando por um vulcão na Islândia, quando Sheeran ignorou as instruções de um guia para não se afastar da trilha. Ao aproximar-se de um gêiser borbulhante, a fina crosta de terra começou a desmoronar debaixo dele, colocando seus dois pés em águas de quase 200 graus. Foi primeira vez que Cherry o ouviu gritar. Ela rasgou uma de suas meias, arrancando sua pele com ela. “Eu ainda tenho estresse pós-traumático por causa disso”, diz ela. Ele teve que ser transportado para um hospital.

O casal poderia ter ido para casa – em vez disso, eles continuaram com uma viagem que durou seis meses. Sheeran, afinal, realmente precisava ficar longe de ser uma estrela pop por um tempo.

O humor padrão de Sheeran é incansavelmente otimista. Mas ele admite que de vez em quando ele “exagera. Isso aconteceu em 2013, quando ele foi o show de abertura da Taylor Swift e se mudou para Nashville, onde a turnê foi estava acontecendo. “Eu estava na turnê mais incrível do mundo”, diz ele. “Eu estava vivendo em um país no qual eu não pertencia, em uma cidade que eu realmente não conhecia ninguém.”

Ele começou a beber – muito. Seu freqüente companheiro de composição Johnny McDaid estava preocupado com Sheeran quando o viu em um show em Hollywood em 2015. “Ele era apenas vai, vai, vai”, diz McDaid. “Sentei com ele e disse:” Olha, cara, por favor, se divirta o quanto quiser, mas tenha cuidado, porque se esse elástico se romper, pode levar muito tempo para se recuperar “.

Um único comentário no Twitter poderia arruinar seu dia: “Todo mundo na internet estava dizendo, ‘Ed está ficando careca.’ E eu não estou, mas eu me convenci de que estava. O cabelo ruivo é só muito fino- meu cabelo está completamente bem. E eu também estava muito gordo na época”, ele acrescenta, referindo-se ao seu peso, “então eu meio que criei um complexo sobre duas coisas que eu nunca teria dado a mínima sobre.”

Ele também perdeu alguns amigos. “A lista Forbes na verdade fodeu isso”, ele diz, referindo-se a um relatório na revista indicando que ele ganhou 57 milhões dólares em 2015. “Eu estava recebendo mensagens de pessoas com fotos de carros falando,” Eu gostaria disso no meu aniversário, por favor. É apenas 0,06 por cento de sua renda anual.'”(Ele acabou abandonando seu telefone, ele usa um iPad para se comunicar e um celular antigo para a família próxima.)

Então, depois de ir aos Grammys no ano passado e de vencer Song Of The Year, Sheeran pulou as after parties e embarcou em um avião para a Islândia. Quando seu pé melhorou, o casal viajou ao redor do Japão rural por um mês, de Hokkaido a Okinawa, onde ele foi capaz de manter o anonimato, “comer comida estranha, mergulhar nas águas termais e andar de esqui.”

Sheeran parou de fumar e e diminuiu a bebida. Em junho, ele passou três semanas em Gana, a convite do cantor Ganês-Inglês Fuse ODG. Trabalhando na casa de Fuse, ele começou a escrever música de influência africana. “Sempre que fizemos uma música, eles faziam uma festa para a música”, diz ele. “Ele convidava mais de 200 pessoas, e nós apenas festejávamos essa música até de madrugada”.

Apenas uma dessas músicas, “Bibia Be Ye Ye”, aparece em ÷, mas a liberdade que Sheeran sentiu em sua jornada ficou com ele. Enquanto o último álbum de Sheeran, x, apresentava músicas amargas sobre ex, ÷ tem músicas como “Happier”, que ele escreveu depois de um casamento, onde ele encontrou sua ex e seu namorado, de quem Sheeran sempre tinha guardado rancor. “Ele estava muito bem”, diz Sheeran. “Eu pensei, ‘Claro, isso é o que deve acontecer.'”

Elton diz que as viagens de Sheeran “refrescaram sua alma”. “Tenho notado, nos últimos meses, que ele sabe que vai ficar tudo bem”, diz McDaid. “Ele sabe que ele fez uma coisa maravilhosa de novo, acho que ele voltou a manter contato com seus amigos e família, e ele se sente ancorado”.

São 11 horas da manhã seguinte ao show improvisado da sala de estar de Sheeran. Gotas de chuva nas janelas do seu quarto de visita, revelando um céu cinza. Apenas cinco horas haviam se passado desde que ele foi dormir, mas ele já pode ser encontrado no andar de baixo em sua academia, sem camisa, no meio de seu treino diário de 10 minutos no elíptico. “Apenas suando!” ele diz.

Seu estúdio é do outro lado do corredor. Sheeran pede para todos que o visitam que assinem essa parede. As assinaturas incluem Rick Rubin, Harry Styles e Benny Blanco, e um desenho por Damien Hirst, um de seus artistas favoritos. Um parede está vazia, exceto por um únicpo nome. “Esse é Clapton,” Sheeran diz com um largo sorriso. “Elton vem na semana que vem e Cherry vai cozinhar, então eu farei uma parede para as lendas.”

Sheeran e Clapton começaram a se falar por e-mail. Clapton convidou ele para subir no palco no Japão ano passado e algumas vezes para jantar. Sheeran não é o favorito entre os críticos, mas, ele diz, “Não dou a mínima para o que as pessoas pensam. Sempre que alguém tem um problema comigo, eu penso, ‘Meus heróis gostam de mim. As pessoas pelas quais eu comecei na música são fãs da minha música. Então por que diabos eu iria me importar com o que qualquer um diz?’ “

Nós fomos almoçar em um pub próximo, onde Sheeran prontamente pede uma rodada de cerveja de sua cidade natal: “Eu amo beber cerveja realmente espessa em Janeiro.” Ele fala sobre crescer em Suffolk, onde ele era zoado por ser ruim em esportes, pelo seu cabelo vermelho – e, principalmente, por ser gago: “Você levanta a mão e não consegue falar. E crianças são cruéis.Então uma vez que isso acontecesse, alguém imitava. E aí você ficaria tipo, ‘Não vou levantar minha mão na próxima vez.’ “ Ele dá créditos a cantar rap junto ao LP Marshall Mathers do Eminem por ajuda-lo a perder o gaguejar.

Seus pais eram tutores de galerias de arte, ajudando a montar exibições e fazendo conferências pela cidade. Seu pai o ensinou a ser durão. “Ele cresceu com um lábio leporino,” ele diz. “E ele disse, ‘Quando alguém te pegar, o bata o mais forte que você puder e eles nunca mais vão te zoar de novo.’ “  Seu pai ainda não leva desaforo para casa: Sheeran conta uma história sobre ele acendendo um cigarro em uma festa recente da Warner Bros. “Alguém disse, ‘Senhor, você não pode fumar aqui.’ E ele disse, ‘Eu sou o Sr. Warner,’ e então o deixaram em paz.” Sua mãe é o oposto. “Ela é literalmente um anjo,” diz Sheeran.

Apesar da sugestão de seu pai de lutar para lidar com seus problemas, Sheeran preferiu o humor. “A maioria dos ruivos que conheço são muito extrovertidos e cômicos,” ele diz. “Eles basicamente falam a piada antes que você possa. Tipo, meu primeiro álbum é laranja. Tem um motivo para ser laranja – estou chegando lá antes que você possa.” Ele acha que esses dias têm muito a ver com sua escolha profissional: “Toda a coisa da música meio que vem de esperar por ser amado e esperar por ser gostado.”

Sheeran largou a escola em 2007, quando tinha 16 anos, e se mudou para Londres. Ele começou a se apresentar, eliminado de shows com violão, mas achando um público nos clubes de hip-hop, shows de comédia e improvisos de jazz. “Em qualquer lugar não é normal ter um cantor-compositor lá, eu instantaneamente me sobressai,” ele lembra.

Em 2010, Ben Cook, líder da Asylum Records, viu um clipe de Sheeran online. Cook foi conferir vários shows, inclusive um em Southampton, Inglaterra, onde Sheeran ficou em pé em uma cadeira, no meio da pláteia, e tocou sem fios. “Ele estava cantando rap,” Cook disse, “então os caras estavam tentando acompanhá-lo, e então tinham essas coisas muito românticas que as garotas estavam respondendo.” Cook assinou com ele logo depois.

A primeira grande turnê nos Estados Unidos de Sheeran foi apoiando Snow Patrol em 2012, por volta da época que seu primeiro single, “The A Team” – uma balada sobre uma prostituta viciada em crack que ele conheceu em um abrigo de sem-teto – estava explodindo. “Em Orlando, tinham, tipo, 200 pessoas na parte da frente para ver o Ed,” disse McDaid, guitarrista do Snow Patrol. “Pela metade da turnê, tinham cerca de 2,000. Você podia ver acontecendo na sua frente.”

Sua próxima turnê foi consideravelmente maior: a abertura de 66 shows para Swift. “Eu ouvi sua música ‘Lego House’ na Austrália quando eu estava na turnê Speak Now”, diz Swift. “Isso facilitou tudo.” Seus gerentes os colocaram juntos, e eles acabaram sentados em um trampolim no quintal de Swift e escrevendo “Everything Has Changed”. Cada noite, Swift convidava Sheeran ao palco para tocar a balada.

Fora do palco, este foi o período mais prolífico e romântico. Ele diz que pegou algumas amigas famosas de Swift. “O mundo de Taylor é de celebridades”, diz Sheeran. “Eu era um garoto britânico de 22 anos de idade que estava em turnê com a maior artista americana, que tinha todas essas amigas famosass, era muito fácil … Muitas vezes eu me encontrava em situações apenas acordando e olhando para o lado e ficando tipo, ‘Como diabos isso aconteceu?'” (Katy Perry resumiu recentemente seu apelo como de secretamente um “homem das mulheres”: “Todo mundo o ama, ninguém tem medo dele, elas querem sair com ele. Elas podem tê-lo.”)

Sheeran relatou alguns desses relacionamentos em seu segundo álbum, x de 2014. Ele escreveu “Don’t” sobre um caso com um colega estrela pop que termina quando ele descobre que ela teve relações sexuais com um amigo que estava hospedado no mesmo andar de seu hotel. Muitos especularam que era Ellie Goulding, que depois lançou “On My Mind”, que incluiu a frase “Você queria meu coração, mas eu só gostava das suas tatuagens.” Goulding negou ter se envolvido com Sheeran.

Uma pessoa que ele não namorou na turnê foi Swift, apesar das manchetes do TMZ. “Eu eu acho isso um jornalismo bastante preguiçoso”, diz ele. “Não havia nenhuma verdade nisso.”

Sheeran e Swift se vêem apenas uma ou duas vezes por ano, mas eles ainda se sentem próximos. “Nós já temos Scottish Folds (raça de gato) que combinam, fizemos de presentes de Natal artesanais, passamos férias com nossas famílias e nós apoiamos um ao outro”, diz Swift. “Ele é o James Taylor para a minha Carole King e não posso imaginar um momento em que ele não seria.” Ele os imagina fazendo uma turnê onde trocam músicas por uma noite, muito parecida com a que Jay Z e Justin Timberlake fizeram alguns anos atrás. “Ela estaria comigo se tudo terminasse para mim”, diz Sheeran. “Taylor é uma espécie de anomalia nesse sentido.” Ele está irritado com as reações contra ela ultimamente: “Ela é onipresente porque ela é a mulher mais famosa do mundo, então ela não pode tomar a decisão de não estar na imprensa.”

A maioria dos fins de semana, quando ele não está em turnê, você pode encontrar Sheeran assistindo hóquei de campo. Cherry jogou pela Duke até 2014. Ela se mudou para Londres no ano passado com Sheeran, e assinou um contrato para jogar pela Wimbledon Hockey Club (hóquei em campo é uma coisa grande na Inglaterra). Durante a semana, trabalha como consultora financeira. “Ela é a garota mais bonita que você vai conhecer, mas no campo ela é um animal”, diz ele orgulhosamente.

No clube de hóquei de Oxford Hawks num sábado, Sheeran toma seu lugar em uma cerca para prestar atenção ao primeiro jogo da estação, conversando com alguns pais. (“Você está fazendo alguma coisa musical?”, pergunta alguém.)

Cherry, número 17, corre para ele, e eles se beijam, e fazem seu aperto de mão secreto. No primeiro encontro, ele a levou para vê-lo aceitar um prêmio em uma gala no American Institute for Stuttering – “Foi um evento bastante perturbador”, diz Sheeran, “porque há muitas crianças que simplesmente não conseguem colocar as palavras para forma .” O segundo encontro foi numa festa de aniversário para o gerente de Adele. Sheeran “testou” Cherry deixando-a sozinha por algumas horas. “Um dos pontos principais de estar em um relacionamento comigo”, diz ele, “você tem que ser realmente muito sociável e bom em conversar com as pessoas, porque eu vou ser muito arrastado para longe em festas e eventos. E Cherry é perfeita nisso. Ela faz amizade com todos. “

Após o jogo, Sheeran é levado para o clube da equipe. Ele pega uma bandeja e se serve uma batata com feijão e queijo, dando um “joinha” grande enquanto mastiga. Ele está quase na metade do prato quando várias equipes entram na sala: garotas adolescentes. Várias delas seguem em direção a sua mesa. A sala inteira parece estar se perguntando por que, exatamente, Ed Sheeran está ali. “Eu vou precisar sair daqui”, diz ele. “Estou sendo muito filmado.” Ele puxa o boné para baixo e sai, cabeça para baixo, e ileso. “Eu acabei de perceber que era uma escola inteira – todas as equipes esportivas”, Sheeran diz de volta no carro. “Não é ideal.”

Este tipo de atenção assusta Sheeran um pouco, e ultimamente ele tem lidado com invasões ainda mais estranhas de sua privacidade. Não muito tempo atrás, um policial o parou e pediu um selfie. Sheeran recentemente encontrou um drone em seu jardim. Ele está “100%” seguro de que alguém em sua equipe de 40 pessoas está vendendo informações para a imprensa. “Eu só quero saber quem é”, diz ele. A pior parte é ficar sendo encarado: “As pessoas filmam discretamente – eu fico realmente muito ansioso.” E uma maneira que ele lida com essa ansiedade é beber.

“Você tem alguma tequila branca?” Sheeran pede a um garçom em um restaurante de Nova York. “Não Patrón, no entanto.” Sim, eles tem. “Cinco shots disso, e um shot de suco de maracujá, por favor. Coloque a tequila no gelo e deixe-a descansar um pouco, e depois despeje sobre o gelo no suco, depois agite”. O garçom do New York’s ABC Kitchen começa a preparar: eles não tem suco de maracujá, mas uma loja próxima tem, e alguém foi enviado para comprar.

Desde que o vi em Londres há três semanas, Sheeran esteve em uma turnê promocional, visitando Inglaterra, Noruega, Alemanha, França, Ásia e Austrália, onde ficou na casa de Russell Crowe. “Ele tem seu próprio pub”, diz Sheeran. “Eu estava tão fodidamente fora de mim, e eu não percebi que ele tinha bebido uma garrafa de gin e estava fora de si também.” Houve uma pequena crise por volta de 8 da manhã, quando todos perceberam que Sheeran tinha ido para a cama e acabou em uma área gramada com cobras mortais. Cherry temia outra incidente semelhante ao da Islândia. “Ele estava tropeçando na grama, caindo nos arbustos”, diz ela.

Sheeran escapou ileso, mas há um monte de histórias como esta. Em Nashville, em 2013, ele estava fingindo tocar bateria com duas garrafas de cerveja às 4 da manhã, na noite antes de um show na arena. Ele bateu na mesa e acabou com um grande pedaço de vidro dentro de sua mão direita. Ele não atingiu um nervo por um milímetro.

Depois tem a cicatriz. Sheeran estava recentemente participando de uma festa dada pela princesa Beatrice no Royal Lodge, perto do castelo de Windsor, quando começou a brincar com espadas cerimoniais. A história muda frequentemente – alguns dizem que foi a própria Beatrice; Sheeran diz que foi o cantor James Blunt – mas alguém cortou a bochecha direita de Sheeran. “Ele foi para o hospital e voltou pronto para a festa com pontos”, diz um amigo. “E todo mundo estava dormindo, ele estava tipo, ‘Que porra? Eu sangrei por esta festa e vocês estão dormindo?'”

“Ele pode ser extremamente impertinente, é uma coisa boa que ele não tenha aparecido na mesma época que eu, caso contrário, ficaríamos juntos acordados por três semanas”, diz Elton, que está sóbrio há quase 30 anos. “Ele não é um drogado, mas ele gosta de uma bebida, ele é muito divertido.”

Os cinco shots de tequila chegam. Sheeran toma um gole e pede outro. Ele fala sobre sua ida a Tóquio, onde se encontrou com Bieber. Eles cantaram karaokê e jogaram bilhar em um bar. “Ele está em um lugar muito bom – muito sóbrio, muito presente”, diz Sheeran. “Houve um 180 que aconteceu, e não há nenhum comportamento de diva. Realmente combina com ele.”

Sheeran acha que ele bebe demais? “Muitas vezes, eu fico tipo, ‘É ruim que eu beber quase todos os dias?’ E então eu olho para os meus amigos e a maioria deles fazem o mesmo, e eles são piores que eu. A primeira coisa que os americanos dizem é: “Há um problema, e você precisa ir para a reabilitação”. Mas eu não acordo e bebo, eu não dependo de bebida, eu posso ficar sem ela completamente, eu só gosto de sair e me divertir, tendo 25 anos. E eu acho que é uma coisa normal.”

Em seu camarim no Saturday Night Live dois dias depois, Sheeran olha para as paredes da sala verde, que estão cheias de fotos de antigos convidados musicais: Kanye West, Paul McCartney, o próprio Sheeran. “Eu pareço um idiota,” ele diz, observando em uma foto de imprensa onde ele está inclinado para a frente com um rosto sério. Logo, um vídeo ao vivo do ensaio do programa aparece. Ele ri da imitação de Sean Spicer de Melissa McCarthy“Engraçado para caralho!” Ele diz – e o anfitrião Alec Baldwin começa seu monólogo.

Ele fala sobre o futuro. Ele está no processo de audição para membros de uma boyband que ele está criando. Ele já escreveu muitas músicas para o grupo – “muito, muito decente, superpop, mas obviamente credível, vou juntar três ou quatro meninos e fazer todas as músicas, levá-los em turnê comigo”.

A turnê de Sheeran do ÷ vai levá-lo pelo mundo – arenas este ano, estádios no próximo ano – antes de terminar no início de 2019. Ele está indo em direção a seu objetivo final: “Eu quero fazer estádios em todos os lugares”, diz ele. “No nível de George Strait – ele faz turnês a cada quatro anos, faz em alguns estádios e depois some novamente”. Sheeran também planeja estrelar um filme de baixo orçamento, como Once, com sua própria trilha sonora acústica. “Eu quero ter um na minha carreira”, diz ele.

Ele está mostrando a um membro de sua equipe o meme do “cash me outside” quando seu amigo Zach Braff aparece na sala verde, junto com sua acompanhante. “Não há nada mais divertido do que estar no SNL – estou surtando muito”, ele diz para Sheeran. “Isto é como você em uma convenção de Star Wars.”

Sheeran brinca, apontando para o passe de bastidores de Braff: “Por que ele tem isso nisso, – ‘Talento’?”

“Seu filho da puta”, diz Braff. “Você deveria ser meu braço-direito.”

Sheeran vai direto da sala verde para o palco para tocar “Shape of You”, sem se preocupar em fazer qualquer tipo de aquecimento vocal. Mais tarde, ele está a caminho de cantar sua segunda música, “Castle on the Hill”, quando ele e Cherry encontram com Tracy Morgan. O comediante leva a conversa de O Império Contra-Ataca  ao Poderoso Chefão até Michael Jackson. Michael era música”, diz Morgan. “Com cada fibra de sua alma, o problema com Michael era que ele atingiu o pico muito cedo. Ele tinha oito anos quando isso aconteceu! E quando você atinge o pico, não há nenhum lugar para ir.”

“Você está me assustando!” Sheeran diz com uma risada. Morgan responde que Sheeran não tem nada com que se preocupar: “Ele é bom. Ele tem o pé no chão. Ele tem uma mulher bem aqui. Vai ter uma mulher e uma família, e vai ser muito feliz feliz”.

A cena se torna mais surreal quando Baldwin se aproxima deles no momento de ascendência de Trump. Toda semana, Sheeran tem admirado os dois bebês de Baldwin. “Sempre que alguém traz bebês perto de mim, eu fico tipo, ‘Nós temos que começar a trabalhar nisso'”, diz Sheeran.

Após o show, Sheeran tem que pegar um avião para fazer uma passagem de som às 9h da manhã para os Grammys. “Você vai ficar bem”, diz Morgan. “Durma um pouco no avião.” Baldwin pergunta sobre os planos de sua turnê: “O que quer que você faça, você é jovem, você é tão talentoso. Vocês dois vão ter um bebê. Façam isso no seu avião particular.”

“Bebês de ônibus de turnê!” Diz Cherry.

A coisa que está deixando Sheeran realmente ansioso é o seu aniversário de 26 anos na próxima semana, que ele e Cherry vão passar nos Alpes austríacos. “É incrível conhecer pessoas famosas”, diz Sheeran. “Mas isso não é vida. Isso não é realidade. Um dia isso terminará. E eu sei que a única pessoa que vai permanecer constante é a Cherry. Eu deveria aproveitar enquanto está lá, mas não deixar que isso se torne minha realidade. Porque não é a realidade em que eu quero viver.”

Fonte | Tradução e adaptação: Equipe ESBR
Não reproduzir sem os créditos.