O absurdamente prolífico Ed Sheeran, com apenas 26 anos de idade, incorpora o prêmio do Songwriters Hall of Fame talvez mais que qualquer outro. Sheeran receberá a honra, criada em 2004 a fim de reconhecer jovens compositores que impactem significativamente a indústria da música com composições originais. O evento acontece no dia 15 de junho, em Nova Iorque.

Em meio ao seu recente e triunfante show na O2 Arena, em Londres, Sheeran conversou com a Billboard sobre a linha tênue entre quais músicas devem ser mantidas e quais devem ser dadas a outros artistas, a música que gostaria de ter escrito e sua rotina no camarim.

Seu sucesso atual, ‘Shape of You’ foi originalmente escrito pensando na Rihanna. Com qual frequência você escreve uma música para outra pessoa e você acaba desejando ter mantido para si?
Rita Ora tem uma música a ser lançada dentro de algumas semanas, eu sequer sei como eles a intitularam [ela se chama ‘Your Song’ e foi a música mais comentada no UK na semana que se passou], e é uma música que se não tivesse ido para ela, eu teria ficado e lançado. ‘Shape of You’ foi iniciada originalmente para o Little Mix e Rihanna. Foi algo que tive em mente, mas, quero dizer, como algumas músicas que eram para ter sido minhas, mas que acabaram em projetos de outras pessoas. Algumas das músicas no álbum da One Direction definitivamente foram iniciadas para mim e acabaram no álbum da One Direction.

Você se escuta em suas músicas quando são performadas por outros artistas?
Sempre que dá, quando há uma música na qual tenho créditos na composição, eu tento fazer com que haja um elemento meu nela, algo como uma assinatura. Ainda que seja eu fazendo os backing vocals ou tocando o violão, eu gosto de ter esse elemento em músicas com as quais me envolvi. Tipo como o DJ Mustard tem ‘Mustard on the Beat’ ou o Mike Will Made-It teria uma batida Mike Will Made-It em uma música; é ter algo que está no plano de fundo. É subliminar, mas está lá.

‘The A Team’, seu single de estreia enquanto performer, possui uma história poderosa por trás.
Foi escrita em 2009, e na época eu fazia shows locais ao redor de Londres. Um de meus amigos estava gerenciando um centro para pessoas sem-teto em East London para alimentar essas pessoas no Natal, e ele disse: ‘Venha ser a atração de lá’. Então eu fui e acabei conversando com essa garota chamada Angel. Eu tinha 18 anos e não havia visto muito do mundo. Cresci no interior e você não vê vício muito, muito pesado em drogas no interior. Você meio que vê apenas bebida, então estar na cidade e ver vícios fortes em droga, e o modo como isso pode afetar alguém, foi algo muito esclarecedor. Eu estava morando em uma casa de estudantes a cerca de uma hora de distância de Londres, e lembro de voltar e escrever e gravar a demo no iMovie, porque eu não tinha alguma outra coisa com a qual gravar. Ela surgiu muito rapidamente; levou vinte minutos. Algumas músicas podem levar uma hora ou duas para ser escrita, ou até mesmo um dia inteiro, mas acho que as melhores músicas que escrevi, foram feitas em 20 minutos.

São poucas, mas há alguma música que não tenha se tornado um hit e que seja especial para você?
Eu escrevi ‘I See Fire’ para o filme de o Hobbit [O Hobbit: A Desolação de Smaug], e ela acabou nunca sendo enviada à rádios porque foi lançada por uma gravadora com a qual eu não possuía contrato, então ninguém tinha autorização para divulgá-la em rádios. Eu tive a oportunidade de gravar e produzir tudo dela, então foi a primeira vez que fui um produtor musical de fato. Eu viajei para Nova Zelândia e assisti ao filme sob muita influência da mudança de fuso, e o CGI ainda não havia sido aplicado, então foi meio pesado. E depois eu subi para esse pequeno estúdio e basicamente compus essa música e fiz produção dura nela, depois gravei tudo dela no dia seguinte e voltei para casa. Tudo foi muito rápido, mas é uma das músicas da qual mais me orgulho porque pude fazer cada elemento dela.

E você a escreveu em outro fuso-horário, ainda mais desafiador…
Eu acho que as melhores músicas surgem quando você está cansado também. Composição sempre parece acontecer à noite ao invés de no início da manhã, ou talvez, na realidade, MUITO no início da manhã [madrugada].

Então você é uma pessoa noturna?
Acho que sim, é. Eu acho que as músicas mais significantes para mim foram escritas tarde da noite, mas eu escrevo sim durante o dia porque a maioria dos produtores trabalham durante o dia. Lembro-me de fazer ‘Shape of You’ no estúdio e foi a primeira música que escrevemos naquele dia, às 11 da manhã.

Qual é a música lançada que você gostaria de ter escrito, mas não o fez?
Há um single chamado ‘Jealous’ do Labrinth, o qual eu simplesmente amo. Eu a toquei para outros compositores e eles têm a mesma opinião que eu — gostariam de tê-la escrito. Um conceito fantástico, emocionalmente fantástica, dispersa, e tal qual os melhores tipos de músicas: não é complicada, mas você a escuta e pensa ‘isso soa verdadeiro’. Lembro de escutá-la e lacrimejar, e é muito poderoso para mim quando uma música consegue fazer isso.

Com qual artista ou compositor você gostaria de trabalhar, mas ainda não aconteceu?
Eu acho que a Beyoncé seria uma pessoa de se trabalhar. Eu já tive sorte o suficiente para tocar com ela antes, e ela possui energia e mente incríveis. Aconteceria algo aí.

O que você está ouvindo agora que tem te motivado?
Sabe de uma coisa? Os caras com quem faço a turnê têm escutado o álbum do Kaleo e ele soa ótimo.

É isso que você ouve antes de ir ao palco?
Eu não tenho tido tempo para ouvir música de fato. Meu camarim sempre está cheio de amigos e familiares, então eu não tenho tempo de colocar música. Os amigos e familiares geralmente saem dois minutos antes de eu subir ao palco; essa é a minha rotina… Eu provavelmente preciso mudar isso [ri].

Fonte | Tradução e adaptação: Fernanda – EdSheeranBrasil
Não reproduzir sem os créditos